Buscar
  • Filipe Gebran

Circuito de Campo Limpo Paulista impressiona competidores de Velocross

A 4ª Etapa da competição contou com grande público e muitos competidores jovens. O evento recebeu arrecadações destinadas à Campanha do Agasalho

Por: Filipe Gebran - 08 de junho de 2022 às 16h40


No último domingo (5), aconteceu a 4ª etapa do Velocross em Campo Limpo Paulista, o que marcou a estreia da pista de Santa Helena, localizada no bairro Gramado Santa Rita. O evento foi realizado em parceria com a Prefeitura e totalmente beneficente, com arrecadações destinadas à Campanha do Agasalho.


O Velocross, também conhecido no Brasil como Veloterra, é uma modalidade de corrida sob veículos a motor, normalmente motocicletas. A competição acontece dentro de um circuito especialmente desenhado, com curvas e pequenas elevações sobre terra batida e as vezes muita lama. Por causa disso, o local ideal para competições precisa ser muito bem planejado e requer grande estrutura para garantir a segurança e o desempenho dos competidores.

Pilotos competindo pela 4ª Etapa de Velocross, em Campo Limpo Paulista (Imagem: Filipe Gebran)

A pista inaugurada na cidade, impressionou tanto quem foi assistir quando quem foi competir. O piloto Fernando Cartoni (35), destacou a manutenção do circuito, a irrigação da terra e a qualidade da pista. Cartoni, morador de Guararema São Paulo, não se arrependeu de ter vindo de longe para competir. “Muito top a estrutura do evento, o apoio da prefeitura, a qualidade da pista... Filé mesmo", disse o piloto. "É a 4ª etapa e sem dúvidas a melhor até agora em questão de estrutura”, finalizou.


O organizador e também proprietário da pista, Danilo Galvanese (45), é o responsável por toda a manutenção da pista. Segundo ele, o circuito foi construído por ele e o sobrinho Luís Felipe que, após o término das obras, buscou apoio da Prefeitura para a realização do evento. "A gente fez tudo seguindo os trâmites legais. Digo isso porque antes, a galera queria competir em lugares não regularizados, por isso eu preferi fazer tudo certo e hoje estamos aí, com apoio da cidade”, falou Danilo.


Pilotos vencedores recebendo seus troféus (Imagem: Filipe Gebran)

Apesar de ser um esporte radical, pessoas de várias idades puderam competir, como Tarcísio Batistel de apenas 13 anos de idade. Nesta etapa, o garoto teve a felicidade de pegar primeiro lugar na categoria VX Júnior e o segundo lugar na categoria Amador. "Nesse esporte tem bastante espaço para pessoas mais jovens", contou Tarcísio.


A trajetória de alguém que quer começar a competir normalmente começa cedo, é o que nos conta o recruta do exército, Luís Felipe (18). “Essa vontade de correr nasceu em mim quando eu tinha 13 anos. Eu sempre gostei muito de moto desde o dia que eu dei uma volta na moto do meu tio. Ali eu decidi que queria correr queria competir". Luís Felipe ainda conta que sempre teve apoio dos pais, responsáveis por dar a ele a sua primeira moto. "A sensação é um monte de coisa misturada, desde a largada até o final da corrida, a barriga cheia de borboleta, nervosismo... Mas quando larga e você tá em cima da moto, só existe aquele momento pra você e o mundo inteiro desliga. Realmente é uma sensação única”, confessou.




270 visualizações
O Jornaleiro_logo branco.png